Sábado, 19 de abril de 2014
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

O poder da comunicação entre pais e filhos

Por Jadete Calisto *


Você se comunica com seu filho o tempo todo, não apenas por meio da fala como também através de gestos, carinhos, atitudes e olhares.

Apesar da grande quantidade de informação disponível, exercer a função de pai e mãe ainda continua sendo um grande desafio para todos. A grande preocupação dos pais é que seus filhos sejam emocionalmente saudáveis, felizes e capazes de enfrentar os desafios da vida.


Antes de tudo, é necessário que os pais tenham maturidade emocional, estejam comprometidos com o filho desde a gestação e tenham disponibilidade de tempo e afeto. Estes questionamentos devem estar claros desde o início. Nós, como profissionais, assinalamos que sem estas condições é quase impossível a criação de um filho emocionalmente saudável.


Outro fator de primordial importância é a comunicação, que deve ser estabelecida entre os pais e a criança desde cedo.


A comunicação é o fator preponderante para a realização da interrelação entre as pessoas de qualquer grupo social e não é realizada somente através da linguagem verbal. Segundo Françoise Dolto (no livro Tudo é linguagem, da Editora Martins Fontes), existem diferentes formas de linguagem, tais como: verbal, visual, olfativa, rítmica, gestual, linguagem da cumplicidade, linguagem da alegria, linguagem do sofrimento e de relações intrapsíquicas.


É através das diferentes formas de comunicação que o afeto é transmitido dos pais aos filhos. É também através desta comunicação que os vínculos afetivos são estabelecidos. Por isso a necessidade do estabelecimento da comunicação desde muito cedo com a criança, desde o ventre materno, para que logo a criança possa fazer o reconhecimento da voz do pai e da mãe.

O quê dizer aos filhos? Mentir vale a pena?

Às vezes os pais pensam: "Eu não vou dizer tal coisa ao meu filho porque ele ainda não entende". Puro engano! As crianças são inteligentes e entendem logo cedo - e muito bem! - o que os pais querem dizer. Por isso também é necessário tomar bastante cuidado com o que se fala ou como se age diante de uma criança.


Há muitos assuntos dos quais ela não deve mesmo participar, assuntos que podem gerar angústia, por exemplo: falar da sexualidade do adulto, caluniar pessoas, fazer fofocas, mentir, fazer apologia a drogas, álcool ou cigarros, brigas do casal, acusações, agressões físicas ou verbais, etc.


Outro assunto importantíssimo refere-se ao segredo na família. Seguem alguns exemplos de situações em que alguns fatos são escondidos ou distorcidos pela família:


● Quando pais adotam uma criança e não comentam com o filho adotado a respeito da sua adoção;


● Quando o pai ou a mãe abandonaram seus filhos em função da separação do casal, muitas famílias dizem à criança que eles morreram;


● Quando, diante da morte real de pais ou irmãos, a família esconde fotos , objetos pessoais e ninguém fala mais nada a respeito, a criança acaba sentindo um vazio muito grande, porque o luto não pode ser elaborado;


● Quando pais e familiares agem como se um parente falecido ainda estivesse vivo, deixando um lugar à mesa ou dizendo que ele foi fazer uma viagem e logo volta, etc.


Certas questões não são ditas, mas, de alguma forma, são passadas para a criança de forma inconsciente. Então, a criança tem uma percepção da realidade, mas ela não acredita nesta percepção porque a verdade não é validada pelos adultos. Este é um fator patogênico, isto é, a criança acaba tornando-se insegura, não confiando nos adultos que cuidam dela, porque estes adultos não dizem a verdade. Todas estas situações acima citadas são geradoras de problemas emocionais que mais tarde merecerão cuidados de profissional especializado.

Criando vínculos através da linguagem

O primeiro vínculo estabelecido entre a mãe e o bebê é o vínculo físico, formado pelo cordão umbilical, para a passagem dos nutrientes de que a criança necessita para manter-se viva e saudável. Após o nascimento, dia após dia, vai sendo estruturado o segundo vínculo, que é emocional . Este vínculo é formado a princípio pelo toque, olhar e voz da mãe, para depois transferir-se ao pai e, mais tarde, para todas as relações interpessoais, sendo fortalecido pela linguagem, conversação e diálogo.


É por meio da comunicação que se transmite confiança e segurança nas relações afetivas, primeiramente dentro da família e posteriormente por toda a rede social. A forma como a criança irá interagir socialmente dependerá da qualidade de apego e de afeto que os pais tiveram com ela, possibilitando, desta forma, que ela se torne uma pessoa segura, com uma boa auto-estima ou, ao contrário, ansiosa, fria e distante no contato interpessoal.


Para que a comunicação seja estabelecida, é necessário que se dispense um mínimo de tempo possível ao convívio com os filhos. Estes são momentos preciosos que devem ocorrer informalmente, seja através de jogos, contando histórias, assistindo a um filme, conversando para saber como foi o dia, fazendo alguma atividade conjunta, rindo juntos, etc.

Alinhando o discurso à prática

Além disso tudo, é necessário também dizer à criança, claramente, o que se espera dela e passar as orientações objetivamente. Deve haver uma coerência entre o discurso e a prática. A linguagem deve ser clara evitando-se a linguagem que tenha duplo sentido, por exemplo:


- dizer ao filho que ele precisa fazer dieta, mas trazer chocolate ao chegar em casa;

- dizer ao filho que é preciso fazer economia e, quando for às compras, trazer uma porção de coisas supérfluas;

- repreender o filho e colocá-lo de castigo dizendo que a semana toda não assistirá à televisão, mas no momento seguinte convidá-lo para assistir a um desenho.

- o pai repreende o filho e a mãe contraria esta repreensão ou vice-versa.


Estes são exemplos de atitudes improdutivas que podem, inclusive, levar as crianças à distorção da realidade.


Estes comportamentos deixam a criança confusa porque são mensagens que têm duplo significado. Para o estudioso Gregory Bateson, a dupla mensagem significa que uma das mensagens modifica o alcance psicológico da outra. Cada uma das mensagens torna a outra, ao mesmo tempo, falsa e verdadeira. É impossível saber qual determina prêmio e qual determina castigo. Quem emite uma mensagem com duplo significado também está confuso, mostrando desta forma o caos interno deste adulto.

Quantidade versus qualidade

Outro fator importante é a relação entre a quantidade e a qualidade do tempo dispensado ao filho. Às vezes pai e mãe estão em casa, mas existem poucas trocas de afeto ou pouca atenção, a comunicação é restrita. A criança vem falar algo, mas o pai ou a mãe dizem: "Agora não, estou lendo o jornal". A criança não pode esperar, ela precisa falar naquele momento.


Infelizmente, sabemos que hoje, com a correria do dia-a-dia, é difícil administrar o tempo. Contudo, é necessário que o pai ou a mãe trabalhem menos tempo fora de casa, pois a criança, quando não está na escola ou na creche, via de regra fica sozinha ou assessorada pela empregada, na companhia da televisão ou da internet, sem ter alguém que a oriente.


Outras vezes, a criança tem tantas atividades fora do lar - para que seu tempo seja "preenchido" - que ela acaba ficando estressada com tantos compromissos, numa idade em que ainda precisa ter momentos livres para simplesmente não fazer nada. A este fato chamamos de terceirização da educação do filho. A educação do filho acaba ficando a cargo de outras pessoas.


Poderíamos comparar a criança que acaba de nascer com um livro com páginas em branco, nas quais os pais escreverão a história de vida junto com ela, até a adolescência. A partir daí, e durante toda a sua vida, o filho caminhará por ele próprio, com valores herdados pela família ou adquiridos através da educação recebida.


Este livro, que até então nasceu em branco, será preenchido pelos pais, através da linguagem, com orientação de vida, transmissão de valores, passagem da cultura e da história de vida familiar. Se estas questões tão importantes não forem preenchidas pelos pais, certamente ocorrerá uma lacuna que possivelmente será preenchida por qualquer um na adolescência. Você gostaria que qualquer um escrevesse o que quisesse nas páginas do livro mais importante de sua vida?


É necessário que se faça ao menos uma refeição diária junto com o filho, pois esse é um momento propício à comunicação. O contato físico também é de extrema importância. Abraçar, brincar de luta, acariciar o filho são também formas de comunicação.


Se os pais não tiverem tempo durante a semana, é fundamental que nos finais de semana procurem fazer uma atividade junto com seu filho, como ir às compras, jogar, assistir a um filme, rir com ele. Tudo isso também representa formas diferentes de comunicação.


Muitas vezes os pais sentem dificuldades em brincar com os filhos por medo de perderem sua figura de autoridade, isto é, o respeito dos filhos. Contudo, o brincar é parte integrante da educação, pois assim os pais poderão ser vistos não apenas como aqueles que impõem normas, mas que também podem deixar um pouco de lado sua autoridade, se "desarmar", relaxar e mostrar-se um pouco crianças. Desta forma, o respeito e o afeto andam de mãos dadas, e como resultado se alcança uma vinculação maior com o filho.


Momento de reflexão


● Você faz pelo menos uma refeição diária com seu filho?

● Você costuma brincar com seu filho?

● Quantas vezes na semana você riu com ele?

● Quantas vezes o auxiliou nas lições de casa durante a semana?

● Quantas vezes o convidou para realizar uma atividade conjunta?

● Quantas vezes você o abraçou e disse que o amava durante a semana?

● Você consegue avaliar qual tipo de apego tem com seu filho?

● Você está comprometido com seu filho?

● Qual a quantidade e qualidade de tempo que você dispensa ao seu filho durante a semana?


E.. Mãos à obra!


Jogar bola, ler um livro de histórias, assistir a filmes, fazer algo na cozinha, arrumar a mesa, preparar um lanche, dar banho no cachorro, caminhar, jogar cartas, mexer na terra, contar algo engraçado que aconteceu, plantar uma flor, construir ou consertar um brinquedo, falar sobre a própria infância...


Estas atividades, além de contribuir para o desenvolvimento da comunicação e do diálogo, ainda auxiliam no entendimento do respeito às normas e regras, desenvolvem a imaginação e a criatividade, as habilidades sensório-motoras, melhoram a interrelação e consciência individual e social, além de despertarem um profundo sentimento de prazer e satisfação às crianças e aos pais ao recordarem sua própria infância.


Sugestões de bibliografia


O brincar e a criança do nascimento aos 6 anos, de Vera Barros Oliveira (org) - Editora Petrópolis.


Por que estou assim - Os momentos difíceis da adolescência, de Cybelle Weinberg - Sá Editora.


Compreendendo seu filho de dois anos, de Susan Reid - Editora Imago (e demais livros da série).


Compreendendo Seu Bebê, de Lisa Miller - Editora Imago.


Criando Meninos, de Steve Biddulph - Editora Fundamento.


Criando Meninas, de Gisele Preuschoff - Editora Fundamento.


Coleção de livros da Clínica de Tavistock de Londres.



Sugestões de filmes


O Rei Leão


Segredos de Família


A Vida é Bela



* Jadete Calisto é psicoterapeuta, especializada em Terapia de Casal e Família.


Comentário:    
       
clicfilhos 10 de November de 2011 | 11h 21

Olá Marluci,
Obrigada pela sua mensagem! Sua resposta já foi encaminhada para o seu email.
Escreva-nos sempre que precisar!
Equipe Clicfihos

Xuxu 01 de November de 2011 | 11h 41

Adorei a matéria sobre comunicação entre pais e filhos, gostaria muito de cita-la num trabalho que estou fazendo sobre o poder na família, poderia envia-la pra meu email com a devida referencia, aguardo retorno e dede já agradeço.

Marluci (Xuxu)

Matérias relacionadas

   
Morte, um assunto delicado... 13/02/2001 às 19:07:00

É muito freqüente, em nossa cultura, que temas como morte, sexualidade, doença, se transformem em grandes tabus provocando, nos pais, uma grande ansiedade quando se deparam com as perguntas de seus filhos. Isso é normal, portanto relaxe.

   
Desenho, canal de comunicação 20/02/2001 às 14:11:00

Desde pequenas, as crianças se utilizam do desenho como linguagem, para se expressarem e compreenderem o mundo. Conhecer o desenvolvimento de cada uma das fases é uma forma de se aproximar do que está na cabeça e no coração de seu filho.

   
A influência das companhias 07/06/2002 às 14:55:00

"Diga-me com quem andas e te direi quem és". Esse dito popular ronda as preocupações dos pais assim que as crianças começam a voar. Afinal, como lidar com as amizades... "boas" ou "más"?

   
Tornando papai mais participativo! 30/07/2001 às 14:39:00

Algumas dicas para você ajudar seu marido a tornar-se mais ativo nas tarefas de casa e no relacionamento com seu filho.

   
Vamos lá, Brasil! 12/08/2004 às 11:52:00

As Olimpíadas trazem à tona valores como patriotismo, companheirismo, dedicação e persistência. Assista à competição junto com seus filhos e aproveite para passar mensagens importantes para eles.