Quinta-feira, 24 de julho de 2014
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Uma estrutura de ferro

Por Flavia Schwartzman *


Carência de ferro pode gerar desde problemas como cansaço, fraqueza e apatia até anemia, comprometimento do crescimento e dificuldade de atenção. Fique de olho no seu filhote.

A deficiência de ferro é um problema bastante comum no mundo todo, especialmente entre crianças e adolescentes que estão em fase de crescimento e, portanto, necessitam demais desse mineral. As mulheres, devido à perda de sangue através da menstruação, e as gestantes, devido às necessidades do feto, também apresentam um risco maior. Apesar de estes grupos serem os mais suscetíveis, qualquer pessoa pode apresentar deficiência de ferro.


Ela pode ocorrer devido a vários motivos, como o aumento das necessidades, diminuição da absorção pelo organismo, perda de sangue e ingestão inadequada de ferro. Uma pessoa pode estar deficiente em ferro e não anêmica; mas, à medida que a deficiência piora e as reservas de ferro diminuem, a pessoa pode se tornar anêmica.



A anemia causada pela deficiência de ferro chama-se anemia ferropriva. Existem outros tipos de anemias nutricionais, causadas por deficiência de outros nutrientes como proteínas, vitamina B6, vitamina B12, ácido fólico, vitamina C, vitamina A, mas a anemia ferropriva é a mais comum.

Por que o ferro é tão importante?

O ferro faz parte da hemoglobina, substância dos glóbulos vermelhos responsável por transportar oxigênio para todo o corpo. Quando há deficiência de ferro, há comprometimento do tamanho e da quantidade de hemoglobina e, portanto, menos oxigênio disponível. O oxigênio é usado pelo organismo para a produção de energia. O ferro também atua no sistema imune, na produção de colágeno e na formação dos aminoácidos, atividades muito importantes, principalmente nas fases em que o indivíduo se encontra em crescimento.


A diminuição de oxigênio pode afetar todas as células do organismo. A criança com deficiência de ferro torna-se cansada, fraca, apática. Além disso, pode apresentar baixo ganho de peso, falta de apetite, irritabilidade, diminuição da atividade física, diminuição da capacidade de concentração, maior suscetibilidade às infecções.



Quando a deficiência progride para anemia severa, pode haver, também, comprometimento do desenvolvimento motor e do desempenho escolar, assim como distúrbios de comportamento (dificuldade de atenção, diminuição da interação social). Alguns estudos demonstram que, quando a anemia persiste por muito tempo ou é muito severa, estes danos podem não ser revertidos, mesmo após a correção das reservas de ferro. Por isso, a melhor coisa a se fazer é prevenir a deficiência de ferro e a anemia.


A quantidade ideal


Crianças de 1 a 10 anos necessitam de 10 mg de ferro por dia. Para assegurar que elas recebam as quantidades necessárias, é importante que elas tenham uma alimentação variada e composta por alimentos ricos em ferro.

FERRO NA DIETA

Não é apenas a quantidade de ferro presente nos alimentos que importa. Também é necessário prestar atenção ao tipo de ferro, pois cada um é absorvido de maneira diferente. Existem dois tipos de ferro na dieta: o ferro heme e o ferro não heme.


O ferro heme é encontrado nos alimentos de origem animal, como carnes em geral, peixes, aves, fígado e vísceras. Ele é muito bem absorvido pelo organismo, duas a três vezes mais que o ferro não heme.



O ferro não heme é encontrado nos alimentos de origem vegetal, como leguminosas (feijão, lentilha, ervilha e grão-de-bico), vegetais de folhas escuras (espinafre, couve, mostarda, brócolis), frutas secas, cereais fortificados, alimentos integrais e gema de ovo. Ele é menos absorvido pelo organismo. A absorção deste ferro é influenciada por outros fatores da dieta. Fatores que melhoram a absorção do ferro não heme são o próprio ferro heme e a vitamina C. Portanto, se numa refeição seu filho estiver comendo carne (ferro heme) com espinafre (ferro não heme) e suco de laranja (vitamina C), tanto a carne como o suco farão com que o ferro do espinafre seja mais bem aproveitado. Da mesma maneira, existem alguns fatores presentes nos alimentos que diminuem a absorção deste ferro não heme: taninos (presentes nos chás, café e chocolate), fitatos (presentes na aveia) e o cálcio (presente no leite). Isso não significa que estes alimentos não devam ser consumidos. Eles podem ser consumidos, desde que não em excesso, fazendo parte de uma alimentação variada e equilibrada e nas horas certas.



Para ter uma idéia da quantidade média de ferro dos alimentos, dê uma olhada na tabela abaixo:









Para que seu filho receba a quantidade de ferro de que ele necessita, basta oferecer sempre algum tipo de carne, alguma verdura ou legume, uma leguminosa e uma fruta ou suco de fruta para melhorar a absorção do ferro.


Se ele receber, por exemplo, no almoço: 1 bife 2 colheres de arroz 1 concha de feijão 2 colheres de espinafre 1 fruta; e no jantar: 1 peito de frango 2 colheres de arroz 1/2 batata 1 suco de maracujá, ele estará recebendo as quantidades necessárias de ferro adequadas e que serão bem absorvidas pelo organismo.

Previna a deficiência de ferro

  • A melhor coisa para prevenir a deficiência de ferro é assegurar que seu filho receba uma alimentação saudável, composta por alimentos variados e nutritivos, e adequada à sua idade.

  • Ofereça leite de vaca somente após a criança completar 1 ano. O tipo de ferro que o leite de vaca contém é muito pouco absorvido. Além disso, ele pode causar sangramento do trato digestivo da criança, que ainda não está preparado para receber este leite, predispondo-a à deficiência de ferro. Por isso, até 1 ano de idade, o ideal é que a criança receba aleitamento materno, pois ele contém um ferro que é bem absorvido. Se você parar de amamentar seu filho antes de ele completar 1 ano, ele deve receber fórmula enriquecida com ferro.

  • Não ofereça quantidades excessivas de leite e derivados à criança após 1 ano de idade. Lembre-se de que nessa fase ela já deve estar recebendo uma alimentação bastante variada, rica em cereais, vegetais, legumes, frutas, carnes. O leite é importante, pois é uma ótima fonte de cálcio, proteínas e vitaminas, nutrientes fundamentais para o crescimento; mas ele não deve nunca substituir as refeições, pois é pobre em outros nutrientes, como o ferro. Além disso, o cálcio presente no leite pode atrapalhar a absorção do ferro dos outros alimentos. Por isso, o leite deve ser consumido nas quantidades adequadas, sem excessos.

  • Forneça, sempre que puder, no almoço e no jantar, alimentos ricos em ferro heme: carnes, aves, peixes. Fígado - a cada 15 dias - também é uma ótima opção, uma vez que ele contém grande quantidade de ferro.

  • Utilize os vegetais de folhas verde-escuras, como espinafre, couve, brócolis, em várias preparações: refogados, em forma de bolinhos e cremes, como recheios de panquecas e tortas.

  • Para ajudar a absorção do ferro não heme, presente nas leguminosas, verduras e no ovo forneça, na mesma refeição, alimentos ricos em vitamina C: frutas como laranja, acerola, goiaba, maracujá, caju, morango. Você pode servi-las como sobremesa ou em forma de suco. Tomate e batata também contêm vitamina C.

  • Não oferecer chá preto ou mate para a criança durante ou logo após a refeição. Os refrigerantes também devem ser evitados, pois, além de não serem nutritivos, contêm aqueles fatores que diminuem a absorção do ferro não heme.

    O que fazer contra a anemia?

    Antes de mais nada, você deve se certificar de que seu filho esteja recebendo os alimentos adequados. Para isso, consulte um nutricionista ou pediatra. Se for necessário, aumente a quantidade dos alimentos ricos em ferro, principalmente os ricos em ferro heme. Muitas vezes, isso é suficiente para recuperar as reservas.


    Entretanto, quando a anemia está instalada, as reservas de ferro do organismo já estão bem baixas e levará um tempo para que se recuperem. Neste caso, é necessário que seu filho receba suplementação e que seja acompanhado pelo médico até que as reservas voltem ao normal. A alimentação continua sendo parte importante do tratamento, pois, se ele não receber as quantidades necessárias de ferro através da dieta, a anemia voltará quando o medicamento for suspenso.


    * Flavia Schwartzman é nutricionista, formada pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, com especialização em Nutrição Materno-Infantil, Mestre em Nutrição pela Escola Paulista de Medicina.


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    Cuidados para não engasgar 31/01/2001 às 14:32:00

    Crianças, especialmente entre 2 e 3 anos, apresentam maior risco de engasgar com alimentos (e objetos), até por volta dos 4 anos de idade, quando aprendem a mastigar e a engolir melhor. Aprenda, aqui, como evitar acidentes.

       
    Histórias da Arte para crianças 08/11/2012 às 18:49:50

    Não tem jeito melhor de conhecer a vida e a obra de artistas contemporâneos brasileiros! Não deixe de levar seu filho!

       
    Milho, o rei dos cereais. E da garotada! 15/09/2003 às 20:36:00

    O milho faz um enorme sucesso entre as crianças e, além de saboroso, é muito nutritivo. Aprenda a fazer doces e salgados deliciosos com esse cereal. As receitas são da turma do Sitio do Picapau Amarelo!

       
    Sol na medida certa 29/01/2001 às 14:13:00

    O sol faz bem à saúde, mas nada de exageros. Nem muito nem tão pouco. Conheça os segredos para manter a pele de seu filhote bem cuidada e longe das agressões das queimaduras.

       
    Meu filho não quer comer! 11/04/2003 às 12:25:00

    Por mais que você se esforce, ele vira o rosto, faz cara feia, chora e se recusa a comer. Saiba porque isso pode estar acontecendo com seu filho.