Sábado, 25 de outubro de 2014
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Tradicional ou moderno? Você decide!

Por Norma Leite Brandão *


Diante da necessidade de escolher, surgem as inquietações dos pais com as diferentes linhas pedagógicas existentes. O que é melhor: a escola tradicional ou aquela com propostas mais atuais?

Quando os pais começam a difícil e cansativa maratona de visita às escolas para fazer sua opção, defrontam-se com terminologias indecifráveis. Coordenadores e professores ainda se comunicam muito mal com as famílias e, muitas vezes, não conseguem traduzir sua forma de trabalho.


Ao mesmo tempo, as escolas estão passando por profundas alterações em suas propostas, baseadas em diferentes concepções de aprendizagem difundidas ao longo do século 20. Muitas delas mesclam diferentes metodologias, na tentativa de realizar uma mudança menos traumática.


De qualquer forma, é importante que as famílias se situem diante de algumas das principais concepções pedagógicas para que compreendam, um pouco melhor, o que é oferecido dentro das instituições. Só assim poderão fazer perguntas e optar de acordo com as suas crenças e filosofia.


O que vale, nesse momento, não é escolher o que está na moda, o que é mais divulgado na mídia ou nos folhetos publicitários, mas que a família acredite no que é proposto.


As escolas tradicionais adotam um modelo pedagógico mais consolidado e, muitas vezes, trabalham com professores mais experientes. No entanto, podem levar mais tempo para incorporar inovações nos métodos educacionais.


As escolas modernas têm um entusiasmo natural. Seus profissionais trabalham com motivação e estão mais abertos ao debate. São mais críticos e estão sempre revendo sua prática.


Existem escolas que se rotulam modernas, mas nem por isso têm uma proposta coerente com o que veiculam. O que revela a linha de uma equipe é seu trabalho diário e não a teoria impressa num plano de ensino, num folheto ou o discurso em reunião de pais.


Longe de querer esgotar o assunto, aqui vão algumas das principais linhas existentes hoje nas escolas de educação infantil e ensino fundamental.

Linha tradicional

Essa proposta de ensino privilegia o conteúdo. É centrada na figura do professor, encarregado de transmitir o conhecimento. O aluno é um elemento passivo, que recebe e assimila o que é transmitido.


O seu sistema de avaliação mede a quantidade de informação absorvida. A ênfase está na memorização e na reprodução do conteúdo por meio de exercícios. Privilegia a preparação para o vestibular desde o início do currículo escolar.


Essa linha de ensino difundiu-se no século 18, a partir do Iluminismo, e tinha por objetivo universalizar o acesso do indivíduo ao conhecimento. Foi considerada não-crítica e ultrapassada nas décadas de 60 e 70, mas ainda tem prestígio. Seus defensores enfatizam que não há como formar um aluno crítico e questionador sem uma sólida base de informação. Escolas que seguem esse modelo tendem a ser rígidas em relação à disciplina.

Linha construtivista

O construtivismo nasceu a partir das idéias de Jean Piaget. Sua teoria de aprendizagem chegou ao Brasil na década de 70, quando foram criadas algumas escolas experimentais ou alternativas. Hoje está largamente difundido.


A proposta dá prioridade à forma como o aluno aprende, enfatizando a construção do conhecimento a partir das relações com a realidade. As escolas que seguem essa teoria têm como ponto de partida a criança e os conhecimentos que ela traz consigo, buscando fazer com que esses saberes sejam aprofundados, reconstruídos em diferentes momentos e de diversas formas.


O professor tem o papel de coordenar as atividades, perceber como cada aluno se desenvolve e propor situações de aprendizagem significativas. O conteúdo é importante, mas o processo pelo qual o aluno chega a ele é a prioridade. Seus defensores afirmam que mais importante do que a informação meramente transmitida é saber chegar a ela e estabelecer relações e comparações.


A aplicação dessa teoria tem possibilitado a formação de crianças que vão além do mero conteúdo assimilado. São mais críticas, opinativas, investigativas. Sua disciplina está voltada para a reflexão e auto-avaliação, portanto não é considerada rígida.

Linha montessoriana

Maria Montessori desenvolveu uma teoria científica do desenvolvimento infantil e elaborou uma linha pedagógica que ganhou força a partir da Primeira Guerra Mundial.


De acordo com a visão montessoriana, a criança deve ser incentivada a desenvolver um senso de responsabilidade pelo próprio aprendizado e o ensino deve ser ativo. É esperado que o aluno, consciente de suas atividades, adquira maior autoconfiança.


Sua concepção está voltada para as atividades motoras e sensoriais: trabalhos, jogos e atividades lúdicas. Propõe uma aproximação do aluno com a arte, a música e a ciência. As escolas que seguem essa linha enfatizam as experiências e o manuseio de materiais para se obter a concentração individual e o aprendizado.


O professor é um guia, um orientador que remove obstáculos à aprendizagem, localiza e trabalha as dificuldades da criança.


As inovações introduzidas pelo método montessoriano estão presentes até hoje em escolas que não seguem necessariamente sua linha: a disposição circular dos alunos, os jogos pedagógicos sempre disponíveis e os cubos lógicos de madeira para o ensino da matemática.

Linha Waldorf

Essa linha pedagógica baseia-se nos ensinamentos do filósofo alemão Rudolf Steiner. Não utiliza materiais artificiais como plástico e aço e evita trabalhar com produtos acabados. Prefere dar à criança um pedaço de madeira para que ela o transforme em brinquedo em vez de comprar um já feito pela fábrica.


Suas propostas são baseadas no movimento da criança, na atividade motora. É contra o uso da televisão e a alfabetização antes dos sete anos de idade. Trabalham-se, em conjunto, três aspectos do desenvolvimento: o físico, o individual e o social.


Os alunos são agrupados por faixas etárias, pois Steiner acreditava que cada uma têm necessidades básicas a serem atendidas. Para ele, o desenvolvimento ocorre em ciclos de sete anos. O professor é um tutor que guia a mesma turma durante esses períodos.


Não há repetência e a relação com a família é intensa. As escolas que seguem essa linha têm princípios mais radicais e esperam dos pais uma postura sintonizada com a filosofia.


Afinal, o que realmente importa?



Tradicional ou moderna? Nada disso importa, se você e seu filho não estiverem sintonizados com a filosofia da escola escolhida. Estar sintonizado quer dizer acreditar no que é proposto. Também significa levar em conta o perfil de seu filho. Não há uma receita pronta, um guia sobre as melhores propostas ou melhores instituições. Há diferentes concepções de aprendizagem e você deve escolher aquela que mais se aproxime de suas crenças. Esse é o ponto central.


Finalizando, não se esqueça: o mundo mudou e hoje espera-se que todo indivíduo seja preparado para desenvolver seu senso crítico, o trabalho em equipe, a flexibilidade e a autonomia.


O mundo pede homens e mulheres que saibam lidar com a informação e com os desafios. Mais do que simplesmente optar por um ou outro sistema educacional, vale a pena analisá-los sob essa ótica. Afinal, faz parte da missão da escola preparar seres humanos capazes de sobreviver criativamente num mundo em permanente mudança, que exigirá deles algo mais do que apenas seguir padrões.


* Norma Leite Brandão é pedagoga e educadora.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Arte à Primeira Vista: Páginas de uma história 19/09/2014 às 16:34:58

Se você mora em Belo Horizonte ou vai passar por lá nas próximas semanas, não pode deixar de conferir a mostra de arte contemporânea que vai encantar as crianças e os adultos.

   
Animais, alegria para toda a família 06/11/2001 às 15:33:00

Animais de estimação oferecem carinho e companhia, ajudando até a curar a depressão. Quem resiste?

   
Como amamentar após o retorno ao trabalho 24/03/2006 às 13:42:00

A licença maternidade está no fim e logo você terá de voltar ao batente, mas não quer deixar de amamentar seu filho. O que fazer?

   
Ensinando a pensar 13/08/2001 às 14:58:00

O que é mais importante em uma escola: matérias e conteúdo ou que o aluno aprenda a pensar?

   
Bilhetes e bilhetinhos... 06/09/2001 às 14:20:00

Na semana passada o seu filho trouxe da escola um bilhete da professora com uma anotação sobre o comportamento inadequado na sala de aula. Hoje chegou outro dando ciência da falta de uma lição. E você, como se sente?