Sexta-feira, 19 de dezembro de 2014
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Aprendendo a estudar

Por Lucy Casolari *


Mostre ao seu filho que abrir o livro e o caderno em casa, uma hora por dia, não dá brotoejas na pele e não causa nenhum tipo de sofrimento atroz. Ao contrário, evita o desespero de estudar todas as matérias à véspera da prova e traz bons resultados.

A criança começa a desenvolver a curiosidade e o gosto pelo conhecimento desde a escola de educação infantil. Os pequenos são espertos, estão sempre querendo aprender e saber mais.


Já no ensino fundamental, com a formalização dos procedimentos escolares, eles precisam desenvolver outras habilidades e dar conta dos compromissos: lições; pesquisas; entrega de trabalhos e provas. É aí que tudo se complica e começam os problemas e questionamentos dos pais.

O papel da escola

Ensinar a estudar é tarefa da escola, por meio do trabalho em classe, estimulando a postura de atenção, envolvimento, gosto pelo conhecimento e o respeito às diferenças individuais.


O caminho é trabalhar para que a criança adquira boa postura de estudante. Esta é uma atividade de construção, que se inicia com os pequenos, acrescentando requisitos de acordo com a maturidade.


A escola deve manter o ambiente favorável à aprendizagem, com propostas instigantes, desafiadoras e adequadas à série escolar. Além disso, deve dinamizar a programação das atividades: privilegiando diferentes enfoques ao abordar cada assunto, diversificando os recursos didáticos, não se limitando à mera repetição dos conteúdos.


O aluno, por sua vez, precisa compreender o que está sendo estudado, sentir espaço para colocar suas dúvidas e questões. É impossível que a escola proporcione aos alunos todos os conhecimentos de que irão precisar ao longo da vida. Mas é fundamental que proporcione condições e recursos para buscá-los.

Memória visual ou auditiva

A Neurolingüística confirma que cada pessoa tem um canal de percepção mais desenvolvido: facilidade para captar mensagens visuais ou auditivas. Aplicando esse entendimento ao estudo, fica claro que cada um de nós adquire durante a vida diversas formas e técnicas, procurando a maneira adequada de estudar.


Quem tem percepção e memória visual mais apuradas costuma ler o texto informativo em silêncio, grifar o que é mais importante, fazer quadro sinótico e resumir a matéria com destaques em cores variadas.


Quando o canal predominante é o auditivo, lê o texto em voz alta várias vezes, grava a leitura para ouvir depois, repete o que estudou, responde oralmente a perguntas formuladas sobre o conteúdo e cantarola músicas ou versinhos.


Há quem recorra às sensações corporais para aprender. Não se escandalize se um dos seus filhos resolver memorizar a tabuada batendo bola na parede ou se balançando na rede. Também vale!

Hora certa para estudar

Estimule a criação de hábitos para fazer as lições, leituras e pesquisas. A criança sentirá os benefícios da organização, com melhor rendimento durante as aulas e notas mais altas.


Horário: dê preferência para que seja o mesmo todos os dias. O tempo de duração varia de acordo com a idade, série e a quantidade de tarefas exigidas pela escola. Cuidado com períodos muito longos, pois tomam ares de castigo.


Freqüência: diária. Deixar para a véspera da prova, além de ineficiente, causa muita ansiedade. Lembre-se de que a lição de casa, feita com atenção, funciona como estudo.


Ambiente: o ideal é uma escrivaninha no quarto da criança ou em algum local sossegado da casa, sem interferência de telefone, TV, animais de estimação, aspirador de pó e outros fatores que dispersam o estudante.

Sugestão de pai é bem vinda

Somente a experimentação e a prática, com os seus respectivos resultados, é que vão dar a medida do que é eficiente. Trata-se de uma busca, as crianças fazem isso empiricamente.


A colaboração que você pode dar é sugerir formas de estudo e, em caso de eficácia comprovada do método escolhido, respeitar a opção. Em caso negativo, o filho continua precisando de ajuda até encontrar o que funciona.


Conte um pouco da sua história como estudante. Resgate seu estilo: dedicado, distraído, interessado, cumpridor de tarefas, organizado ou sempre correndo atrás do prejuízo. Enalteça as vantagens de ser bom aluno. Caso seu histórico não tenha sido dos melhores, lamente, mostrando o quanto poderia ser diferente.


É fundamental que, durante essa caminhada, os pequenos estudantes se sintam ao mesmo tempo apoiados e exigidos. A confiança dos pais na capacidade dos filhos é o esteio que promove a autonomia e o bom desempenho nos estudos.



* Lucy Casolari é pedagoga e educadora


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Paz em casa 31/07/2002 às 13:46:00

Dicas preciosas da revista Meu Nenê e Família

   
Ensinando a pensar 13/08/2001 às 14:58:00

O que é mais importante em uma escola: matérias e conteúdo ou que o aluno aprenda a pensar?

   
O computador na sala de aula 07/06/2002 às 15:06:00

As escolas se informatizam... mas o que isso realmente representa de benefício para seu filho nesse momento?

   
Um Natal cheio de livros 14/12/2000 às 16:59:00

Você está procurando um presente que seja sucesso garantido? Então dê uma olhada nessa seleção de livros. Aqui você vai encontrar histórias saborosas, engraçadas e muito bem escritas. Abra as portas do mundo da fantasia para as crianças!

   
A influência das companhias 07/06/2002 às 14:55:00

"Diga-me com quem andas e te direi quem és". Esse dito popular ronda as preocupações dos pais assim que as crianças começam a voar. Afinal, como lidar com as amizades... "boas" ou "más"?