Domingo, 20 de agosto de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Berçário à vista!

Por Norma Leite Brandão *


A licença-maternidade acabou. Se, diante das possibilidades, essa foi a sua opção, faça-a da forma mais consciente possível.

Diante da realidade atual, com mães trabalhando arduamente fora de casa, muitas vezes a solução do berçário é a única possível. Bem, nada tão dramático assim, se levarmos em conta a existência, hoje, de berçários bem aparelhados e com uma infra-estrutura invejável, com padrões bem acima do esperado. É verdade que eles são uma exceção, mas existem. Seu custo também é altíssimo. Porém, em determinados casos, cumprem uma função essencial, diante das necessidades de famílias que realmente não possuem alternativas.


Se essa é sua realidade, você deve estar se perguntando: ao escolher um berçário, o que devo levar em conta? Ao pensar nessa faixa etária, há aspectos que não podem ser ignorados.

Quanto à questão física:

  • Espaços amplos, bem arejados e com excelente iluminação natural

  • Pisos laváveis e ausência de carpetes

  • Móveis, objetos e utensílios bem conservados e devidamente limpos.

  • Ausência de objetos e brinquedos que possam representar algum tipo de perigo físico

  • Atenção especial aos berços (lençóis, fronhas) e à cozinha (espaço em que a higiene é fundamental)

  • Existência de espaços individuais e coletivos que não ofereçam perigo.

    Quanto à rotina:

  • Horários e locais bem estabelecidos de sono e de alimentação (mamadas, sucos, almoço e jantar)

  • Horários previstos e adequados para o banho de sol

  • Freqüência na troca de fraldas e de roupas

  • Cuidados especiais na higiene do corpo e das roupas, não somente na hora do banho, mas no correr do dia

  • Horários definidos e pré-determinados de atividades lúdicas para o desenvolvimento sensório-motor

    Quanto aos profissionais e ao atendimento:

  • Formação adequada e experiência são fundamentais. Se a pessoa que cuida diretamente de seu filho não tiver a formação mínima de berçarista, com todos os cuidados necessários, há a necessidade de alguém, em tempo integral, que responda por questões básicas.

  • Número reduzido de crianças por profissional. Aqui é bom frisar: número mínimo mesmo. Três ou quatro crianças por berçarista, não mais do que isso.

  • Se seu filho fica em período integral, dê preferência a locais que mantenham o mesmo profissional no período da manhã e da tarde. Tudo fica mais fácil nesse momento de adaptação.

  • Esterilização de utensílios e cuidados especiais no preparo da alimentação do bebê - orientação de nutricionista.

  • Existência de uma enfermeira e de um médico que responda pronta e imediatamente a qualquer imprevisto que surja.

  • Necessidade de que esteja previsto e acordado entre família e berçário um local de atendimento para casos emergenciais (hospital, pronto-socorro).

    A afetividade

    Bem, até aqui falamos de alguns itens que proporcionam segurança física, higiene e saúde a seu bebê. Mas existe um outro tipo de segurança e de saúde fundamentais ao desenvolvimento desse pequenino ser: a emocional. Dela, só dão conta profissionais equilibrados e que possuam, com seu filho, uma relação de afeto. Qualquer falha técnica que porventura surja pode ser consertada ou suprida se o profissional em questão tiver disponibilidade e entrega nessa delicada tarefa, permeada de tanta responsabilidade.


    Bebês precisam de amor, muito amor. De paciência, muita paciência. De respeito à forma tão particular de cada um. Essa pessoa especial que irá cuidar de seu filho, precisará ter, sem dúvida alguma, discernimento e feeling para perceber e interagir de forma imediata e completa. Para isso não bastam cursos ou técnicas.
    Mas amor, disciplina, vontade de aprender, disponibilidade, paciência e entrega.


    Nessa sua busca, embora os detalhes técnicos sejam importantes, leve em conta sua intuição também. Intuição de mãe, que lê pessoas, que possui faro, que sabe que essa riqueza maior que tem nos braços só pode ser entregue mesmo a pessoas especiais. Pessoas que não serão perfeitas, como você não é. Mas que buscarão, por meio de amor e afeto, ajudá-la em sua tarefa. Serão seus parceiros nesse momento tão delicado.


    * Norma Leite Brandão é pedagoga e educadora.


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    Paz em casa 31/07/2002 às 13:46:00

    Dicas preciosas da revista Meu Nenê e Família

       
    Como amamentar após o retorno ao trabalho 24/03/2006 às 13:42:00

    A licença maternidade está no fim e logo você terá de voltar ao batente, mas não quer deixar de amamentar seu filho. O que fazer?

       
    Meu filho não quer comer! 11/04/2003 às 12:25:00

    Por mais que você se esforce, ele vira o rosto, faz cara feia, chora e se recusa a comer. Saiba porque isso pode estar acontecendo com seu filho.

       
    Samba e forró para as crianças 21/05/2007 às 09:47:00

    Conheça as delícias musicais do selo Biscoitinho.

       
    Viajando com as crianças 06/06/2001 às 16:39:00

    Viajar com crianças não é uma tarefa fácil. Ao contrário, é um desafio! Mas se você se preparar para tal missão, verá que horas na estrada, com a família toda fechada num carro, podem passar bem rapidinho.