Terça, 01 de dezembro de 2020
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Bebê chorão

Por Dr. Leonardo Posternak * em 24/11/2000


Por mais tranqüila que seja a mãe, o choro do bebê sempre traz angústia e preocupação. Na realidade, ele é o único jeito que a criança tem para manifestar suas necessidades e desconforto.

Mas como entender essa forma tão diferente de se expressar? O que é possível fazer para ajudá-lo? Como saber se é manha ou uma dorzinha incômoda? Qual a atitude mais adequada a tomar? Essa situação tão comum na vida de quem tem filhos pode se transformar num pesadelo para os casais, principalmente os de primeira viagem, que, sem nenhuma experiência, começam a tentar decifrar o choro do filho.

É assim que ele sabe se comunicar!

O choro é o único jeito que o recém-nascido tem de se comunicar com o mundo. Mas essa forma tão natural de comunicação costuma ser um transtorno para os pais que ficam tensos e angustiados por não conseguir compreender as necessidades de seu filhote. Conheça alguns motivos que explicam essa tensão:


  • Os adultos sempre relacionam o choro com algo negativo. Muitas vezes, eles se esquecem de que o choro pode estar ligado à emoção e à alegria. Às vezes, nem há motivo para tamanho berreiro. A criança chora apenas para descarregar sua energia.
  • Sempre paira a dúvida de que o choro seja causado por dor ou mesmo por alguma doença.
  • Quando o bebê não pára de chorar, ou seja, quando ele chora muito e intensamente, os pais logo se sentem abalados em sua autoconfiança. A todo momento se questionam por que não conseguem entender o próprio filho. Muitos chegam a acreditar que não sabem nada mesmo, que não entendem as necessidades da criança e que por isso mesmo não serão bons pais.
  • A idealização é uma constante durante a gestação. Principalmente por parte das mães que imaginam um filho perfeito, bonito, bem-comportado, bonzinho e que não chore. Quando a fantasia entra em choque com a realidade, os pais acabam sofrendo.

    Por que o bebê chora

    As crianças pequenas gostam e precisam de certa rotina. Elas também necessitam de tranqüilidade, aconchego, boas mamadas e bom sono. Parecem coisas fáceis de conseguir, mas, infelizmente, não são. A tranqüilidade é uma mercadoria difícil de se obter e sua falta acaba trazendo alterações na rotina diária, na alimentação e no sono. Em conseqüência, a cria chora, chora, chora...


    Decifrar os diversos tipos de choro é o primeiro passo para romper o círculo vicioso entre uma mãe intranqüila e seu bebê chorão. Tensa e insegura, ela transmite esses sentimentos para a criança, que reage chorando mais ainda. Ninguém melhor do que o pediatra e a experiência de outras gestações para ajudar a entender o que está acontecendo.

    Tipos de choro

  • Quebra de rotina. Isso acontece por causa de visitas longas e barulhentas, por causa de saídas inadequadas (quem nunca viu um bebezinho num restaurante depois das 10 horas da noite?) ou por causa da falta de respeito aos horários estabelecidos entre você e ele.
  • O ambiente está tenso. A insegurança da mãe e o aumento da tensão na casa, decorrente do cansaço dos pais ou mesmo por causa de brigas freqüentes, deixam o bebê inquieto e propenso a ataques de choro sem muita explicação. Para poupar seu bebê, procure reduzir seu estresse.
  • Sente necessidade de contato. Essa é uma causa comum de choro. Existem alguns bebês que precisam reafirmar constantemente a presença dos pais. Se esse é o caso de seu bebê, não o prive desse conforto carinhoso.


    Está com...
  • Fome: é uma das causas mais comuns de choro entre as crianças novinhas. E também uma provável explicação para o choro de um bebê que parece estar bem e se mostra satisfeito logo depois de mamar.
  • Sede: é mais um motivo possível para seu desconforto, principalmente se ele toma mamadeira ou se o clima está quente.
  • Cólica: é responsável por um choro rápido, intermitente, que começa e pára a toda hora. Como geralmente a cólica não tem causa definida e responde pouco à medicação, o melhor é aquecer o bebê e confortá-lo com uma massagem suave na barriga.
  • Dor: se o bebê começar a chorar de repente de um jeito incomum, ele pode estar sentindo dores provocadas por uma infecção dolorosa. Se ele se recusar a mamar, procure o pediatra rapidamente para eliminar a possibilidade de um problema mais grave.

    Ouvido afinado

    O melhor decodificador para o choro do bebê é sem dúvida nenhuma o ouvido afinado da mãe. Sua sensibilidade e a estreita ligação com o filho permitem a realização dessa mágica. O milagre de amor tem uma explicação: as mães, nesse período supersensível, têm a capacidade única de regredir até sua vivência infantil e assim descobrir por que seu filho chora.

    * Dr. Leonardo Posternak é médico pediatra,
    membro do Departamento de Pediatria do Hospital Israelita Albert Einstein.
    Co-autor do livro
    E Agora, o que Fazer? A Difícil Arte de Criar os Filhos
    , Editora Best Seller.
    Autor de
    O Direito a Verdade - Cartas Para Uma Criança
    , Editora Globo.


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    Momento Clicfilhos - Leitura, desafio de pais e professores 13/02/2020 às 16:18:58

    Habituar os filhos a mergulhar nos livros nem sempre é fácil. Aprenda, aqui, como estimulá-los.

       
    Momento Clicfilhos - Afinal, para que serve a mesada? 13/02/2020 às 15:58:02

    Os filhos pedem, e como pedem! Querem brinquedos, roupas de griffe, jogos de videogame, guloseimas... Como fazer da mesada uma aliada?

       
    Momento Clicfilhos - Bullying, violência na escola 13/02/2020 às 15:20:51

    Humilhação, intimidação, ameaça. Diariamente, estudantes de todas as idades são vítimas desse tipo de violência moral na escola. Os agressores são seus próprios colegas. Como lidar com essa situação?

       
    Momento Clicfilhos - Animais, alegria para toda a família 13/02/2020 às 15:16:32

    Animais de estimação oferecem carinho e companhia, ajudando até a curar a depressão. Quem resiste?

       
    Momento Clicfilhos - Com açúcar, com afeto... 13/02/2020 às 15:08:46

    Você entra no quarto do seu filho e sente como se um furacão tivesse passado por ali: gavetas semi-abertas, roupas para fora, brinquedos espalhados pelo chão, lápis, livros e cadernos sobre a cama ...