Terça, 23 de maio de 2017
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Navegar é preciso, mas com bússola!

Por Norma Leite Brandão *


No mundo moderno, o uso da Internet por crianças e jovens é bem mais do que um modismo ou um prazer. É uma necessidade. Saber percorrer seus caminhos implica em aprendizado, orientação e cuidados.

Recentemente, numa grande escola de São Paulo, professores conversavam sobre um estranho fenômeno que vinha ocorrendo dentro das salas de aula: a presença de um número cada vez mais significativo de alunos cansados, com sono. Alguns chegavam a ressonar. Ao mesmo tempo, vinha sendo verificado, também, por parte de outros alunos, um expressivo aumento de faltas à escola.


Preocupados, os professores levaram os fatos à coordenação. Bem, não foi preciso nenhum mágico poder para se descobrir, junto aos pais, o que estava por trás da canseira e das faltas. Era nada mais, nada menos do que o uso da Internet nas madrugadas, por horas a fio...


A idade dos alunos? Doze, treze anos. Mas todos sabemos que o mergulho na rede é, hoje, uma realidade que ocorre bem antes disso. Parece exercer o papel de babá eletrônica, também, assim como a TV. Os pequenos se encantam com os jogos, as animações e cores dos sites, com a interação que propiciam. Os maiores vão em busca dos mais diversos interesses.


É uma geração que nasceu com o mouse nas mãos, apropria-se da máquina com uma rapidez enorme! Ensina os pais. Até aqui, tudo bem. Mas, como fazer com que seu filho, desde cedo, tenha bom senso e cautela no uso dessa fonte de informação tão ampla e navegue, ao menos enquanto é pequeno, com alguma segurança?

Equilíbrio e cautela

Equilíbrio parece ser a primeira questão a ser observada e trabalhada junto aos filhos. Se navegar é preciso, viver também o é... Nunca é demais reforçar que a vida real precisa ser estimulada. O mundo em que os filhos estão inseridos é o mundo das luzes artificiais dos shoppings, do videogame, dos namoros virtuais, das salas de bate-papo e dos sites em que a imaginação parece não ter fim. Por isso mesmo, cabe aos pais, desde cedo, impor limites e regras no uso do computador, em relação ao tempo e à forma de utilização.


Quando se pensa no episódio que abre esse artigo, percebe-se como crianças e adolescentes estão sem parâmetros no uso da rede. Muitas vezes as pessoas se maravilham com a facilidade de acesso à informação, mas se esquecem de que também podem ficar demasiadamente expostas se cuidados não forem tomados.


Pensando nisso, aqui vão alguns itens que valem ser observados junto a seu filho:


  • Se ele está começando a se interessar pela Internet, vá com calma. Forneça-lhe as dicas práticas para entrar na rede e selecione alguns sites iniciais, próprios para sua idade. Claro, ele trará outros endereços, mas é importante que você esteja por perto quando ele estiver navegando. Saber o que está entrando em sua casa, quando ele ainda é pequeno, é fundamental.

  • Limite horários, o tempo de uso. Dê preferência aos finais de semana ou nos períodos em que você possa estar por perto. Não tenha medo de parecer antiquado ou chato. Além de ser uma fase de aprendizagem nessa nova ferramenta, é importante que a criança saiba que está lidando com um equipamento caro e que precisa ser bem utilizado.


    Se seu filho é pequeno e houver interesse por salas de bate-papo, é importantíssimo que vocês conversem sobre alguns aspectos. Oriente-o no sentido de:


  • Não acreditar em tudo o que lê nos espaços públicos. A Internet facilita a comunicação, mas também permite que pessoas se escondam no anonimato ou finjam ser quem não são. É importante, sempre, desconfiar. Por isso, mesmo que esteja numa sala destinada à sua faixa etária, é fundamental ter em mente que adultos têm acesso a ela.

  • Evitar fornecer qualquer informação mais pessoal, como nome verdadeiro, número de telefone, endereço, e-mail a pessoas desconhecidas na rede.

  • Jamais marcar encontro com ninguém que tenha conhecido pela Internet.

  • Ter cuidado com programas enviados por e-mail. Eles podem conter outros programas escondidos que permitem que seu computador seja invadido por hackers. Oriente-o a só executar os programas se conhecer quem os enviou.


    Independentemente dos cuidados que seu filho deva ter, há providências que você pode tomar em relação ao acesso de crianças à Internet. Os grandes provedores possuem um sistema de segurança que permite que se controle o tempo de uso e o conteúdo visitado, além da possibilidade de bloquear sites eróticos ou determinadas salas de bate-papo. Além disso, existem programas de filtragem do conteúdo de toda a rede, que podem ser atualizados periodicamente. Oferecem um período de avaliação gratuito antes da compra.

    Então está tudo sob controle?

    Não. Esses são alguns cuidados que podem ser tomados quando o interesse dos pequenos surge. Procurar acompanhar o processo, conversando continuamente com eles, parece ser fundamental para que, após um determinado tempo, possam estar um pouco mais seguros, independentes e os pais, mais tranqüilos.


    Mais importante do que ter a certeza da segurança total (que não existe) é saber que os pais procuraram fazer com que houvesse condições básicas para que seus filhos buscassem usar esse canal de comunicação de forma eficiente e saudável.

    Quando o assunto é pesquisa escolar

    A Internet veio, com certeza, facilitar o acesso às informações. No entanto, percebe-se que, no caso das pesquisas escolares, se o recurso não for utilizado com orientação ele pouco ajuda.


    Hoje é comum que crianças e adolescentes acessem a rede, imprimam páginas inteiras de trabalhos já prontos (normalmente encontradas no primeiro site que abrem) e o entreguem à professora, na esperança de uma boa nota. Nada mais ilusório e infrutífero. Não ensina a colher dados, não auxilia na seleção de informações, não faz com que o aluno redija sua própria pesquisa, a partir do que julgou importante. Enfim, não desenvolve o trabalho intelectual.


    Tanto os professores, quanto os pais precisam ajudar os alunos no sentido de tirar o melhor proveito desse novo instrumento. Indicar sites e CD-ROMs, além de dar o roteiro de pesquisa, com seus objetivos e orientações, é função da escola atual.



    Quando esse percurso é realizado com a retaguarda de todos, ele só traz benefícios, uma vez que os recursos são atraentes e mobilizam crianças e adolescentes. O papel dos adultos, diante dessa nova fonte de informação, é o de fazer com que a usem como uma aliada no processo educacional. Para que isso aconteça, nada como estar por perto no começo da caminhada, ou melhor, da navegação... Só assim seu velejador terá as condições necessárias para se jogar de forma autônoma e consciente nesse imenso mar que é a rede.

    Cartilhas na Net

    A Childhood - pela proteção da infância preparou uma série de dicas para que os pais, escolas, crianças e adolescentes saibam como agir para garantir uma navegação segura: Navegar com segurança

    Confira também a cartilha em quadrinhos da SaferNet: SaferDic@s em Quaddrinhos

    * Norma Leite Brandão é pedagoga e educadora.


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    O grande reencontro 05/05/2009 às 19:04:00

    Em uma grande homenagem ao Dia das Mães, o Clicfilhos conta a você a história de Assílio, que foi separado de sua mãe quando pequeno e, após 30 anos, conseguiu reencontrá-la por meio da Internet.

       
    Dicas para proteger seus filhos 26/03/2003 às 13:21:00

    Principalmente as grandes cidades oferecem uma série de riscos para nossos filhos. Veja aqui dicas para protegê-los contra alguns problemas, como assalto e seqüestro.

       
    A ditadura da violência 21/12/2003 às 22:24:00

    Como os jovens poderão experimentar a tão sonhada liberdade vivendo num mundo extremamente violento e amedrontador? E os pais, conseguirão dormir tranqüilos com seus filhos soltos pela cidade?

       
    Solidários desde a infância 05/04/2001 às 16:29:00

    Você sai de carro com seu filho. Ao aproximar-se de um sinal, uma criança se aproxima da janela e, rapidamente, você fecha os vidros. Seu filhote fica supreso, parece não entender o que se passa. Como falar de nossos medos? Como explicar o inexplicável?

       
    O computador na sala de aula 07/06/2002 às 15:06:00

    As escolas se informatizam... mas o que isso realmente representa de benefício para seu filho nesse momento?