Sexta-feira, 19 de setembro de 2014
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Chupeta e mamadeira, como lidar com elas

Por Julienne Gananian * em 20/08/2001


O bebê chora e você rapidamente coloca a chupeta para acalmá-lo? Você dá mamadeira, em vez de amamentar no seio, pois é mais fácil? Cuidado... isso poderá causar problemas nos dentinhos!

Muitos pais consideram a chupeta um acessório essencial: se a criança chorou, tem que dar. Cria-se o hábito e ela acaba se acostumando. "O uso da chupeta foi adquirido culturalmente. Há muitos anos se colocava um embrulhinho de tecido feito com recheio doce ou com açúcar para a criança sugar", conta a odontopediatra Célia Regina M. D. Rodrigues.


Na verdade, principalmente no primeiro ano, o bebê tem uma necessidade inata de sucção. Mas isso não significa que a chupeta seja essencial. "Nessa idade a criança deveria se alimentar no seio, suficiente para satisfazer essa necessidade de sugar" explica a odontopediatra. A partir dos seis meses, ela já tem coordenação motora para começar a usar copinhos especiais para bebês, com tampa e furinhos, muito úteis na complementação da alimentação com outros líquidos, como sucos e água.


Uma dica para as mães: quando estiver amamentando, dê um tempo antes de retirar o bebê do seio se ele começar a mamar mais devagar. Deixe-o "chupetear" um pouco, pois mesmo que ele já esteja bem alimentado, pode ainda não ter satisfeito a necessidade de sucção.

Criança elétrica

E se a criança fica irrequieta, não dorme, não para, ou começa a chupar o dedo? Nessas situações "aceita-se" o uso da chupeta, devendo-se escolher uma do tipo anatômico ou ortodôntico, com formato especial para provocar menos problemas no arco dental, indica a dra. Célia. Essa chupeta tem como característica principal o bico achatado e voltado para cima, em direção ao céu da boca (palato), permitindo que a língua ocupe sua posição correta.


A chupetas cujo bico tem o formato de uma bolinha, fazem com que a língua fique rebaixada, fora da posição normal. Para que a língua se mantenha no local certo, muitas crianças ficam de boca aberta. "Isso causa uma série de problemas musculares, de fonação e ainda problemas de oclusão (relação dos dentes). Os mais comuns são a mordida aberta, em que os dentes de cima não encostam nos de baixo, e as mordidas cruzadas, em que os dentes superiores ficam por dentro dos inferiores, quando deveria ocorrer o contrário" explica a especialista.


Outro problema: alguns pais colocam mel, açúcar e doces para a criança pegar a chupeta. Isso não deve ser feito nunca. É duplamente desaconselhável: além de você forçar o uso desnecessário da chupeta, essas substâncias podem desencadear um quadro de cárie muito sério, comprometendo os dentes das crianças num tempo muito curto.


Antes de oferecer a chupeta, quando seu filho estiver chorando, lembre-se de que o choro sinaliza que algo está incomodando. Talvez seu filhote esteja com fome, molhado, com sono ou apenas querendo um carinho.

Atenção à mamadeira!

A mães que têm dificuldade em amamentar, que precisam voltar logo ao trabalho ou que não sabem a importância do leite materno introduzem a mamadeira precocemente na vida do bebê. A odontopediatra explica as desvantagens desse costume: a criança mama muito mais rápido, pois não precisa fazer força. Altera-se o padrão de deglutição, de respiração e ela satisfaz a fome, mas não a necessidade de sucção. Assim acaba precisando da chupeta ou começa a chupar o dedo.


Pior ainda quando os pais aumentam o furo do bico da mamadeira, pois acham que o filho está fazendo muito esforço e sofrendo. Esse esforço é necessário! Repare na força que o bebê que mama no peito tem que fazer para tirar o leite. O exercício da sucção favorece o desenvolvimento da face e beneficia o lado emocional, reforçando ainda mais os laços entre mãe e filho.

Quando tirar a chupeta?

Vale a regra de que quanto menos tempo a criança usar chupeta ou mamadeira, melhor. Recomenda-se abandoná-las ao redor dos dois anos, embora muitos pesquisadores relatem que até os 4 anos de idade, os problemas causados por elas tendem a se resolver sozinhos. A odontopediatra explica que, para evitar grandes traumas na hora de deixar esse hábito, a melhor forma seria implementar o uso racional da chupeta desde cedo. Assim, utilize o bom-senso: você acabou de amamentar e percebe que seu filho tem sono, mas está agitado e precisa daquela "sugadinha" para relaxar e dormir. Tudo bem, dê a chupeta, mas retire-a logo que o bebê começar a dormir.


E nada de criança com chupeta o dia inteiro! Se ela já está muito acostumada, o ideal é motivá-la, mostrando fotos de pessoas com dentes tortos ou mesmo lembrando de personagens infantis, como a Mônica, que tem os dentes saltados para frente. Não deu certo? Tente outras técnicas! Por exemplo, fixando na parede um cartão em que eles desenhem uma estrelinha sempre o filho ficar sem a chupeta. Dependendo da quantidade de estrelinhas, ele ganha um prêmio e vai abandonando esse hábito.


Quando já são um pouco maiores, conversar e explicar os motivos torna-se mais fácil. Mas se a criança persistir em usar a chupeta por um período mais avançado, talvez esteja com algum problema emocional, como por exemplo dificuldades na adaptação escolar. "Evite atitudes terroristas, como colocar pimenta ou jogar a chupeta pela janela, que podem gerar outros problemas. Os pais devem conversar e ajudar a criança" conclui a dra. Célia Regina M. D. Rodrigues.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Aprendiz de Maestro 01/09/2014 às 17:39:04

Convide seus filhos para assistir à série O Aprendiz de Maestro, produzida pela TUCCA - uma ONG que dá assistência a crianças com câncer. Ao mesmo tempo em que se divertem, vocês ajudam a quem precisa.

   
Como amamentar após o retorno ao trabalho 24/03/2006 às 13:42:00

A licença maternidade está no fim e logo você terá de voltar ao batente, mas não quer deixar de amamentar seu filho. O que fazer?

   
Natal solidário 03/12/2007 às 17:42:00

Natal é tempo de alegria e de solidariedade. Conheça algumas campanhas com as quais você e sua família podem colaborar para tornar o Natal de muita gente mais feliz!

   
Cuidados para não engasgar 31/01/2001 às 14:32:00

Crianças, especialmente entre 2 e 3 anos, apresentam maior risco de engasgar com alimentos (e objetos), até por volta dos 4 anos de idade, quando aprendem a mastigar e a engolir melhor. Aprenda, aqui, como evitar acidentes.

   
Histórias da Arte para crianças 08/11/2012 às 18:49:50

Não tem jeito melhor de conhecer a vida e a obra de artistas contemporâneos brasileiros! Não deixe de levar seu filho!