Sábado, 06 de junho de 2020
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Jogo do igual

Por Kátia A. Kühn Chedid *


Brincando de identificar números iguais, os pequenos aprendem o conceito de igual e diferente e, desde cedo, já começam a gostar de matemática!

Este material facilita a discriminação visual, a atenção, a conceituação de igual e diferente e o reconhecimento de numerais.

material

- calendário;

- papel sulfite ou cartolina;

- régua;

- caneta hidrocor;

- tampinhas de garrafas.

como fazer

Recorte numerais do calendário e cole numa folha de papel sulfite ou cartolina. Em cada linha cole um ou mais numerais iguais ao primeiro. Cada aluno pode montar uma cartela e depois trocar com o colega.
O jogo consiste em colocar a tampinha de garrafa sobre os numerais iguais ao primeiro da linha.





* Kátia A. Kühn Chedid é Psicopedagoga / Pedagoga PUC-SP, Diretora do Colégio Visconde de Porto Seguro / Extensão em Neuropsicologia PUC-SP
http://www.katiachedid.com.br/
Ilustrações Kátia Chedid


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Rádio Tom Social - Entrevista Cida O'Sullivan 17/09/2010 às 13:21:15

Uma das fundadoras do Clicfilhos, Cida O'Sullivan, faz um bate papo na Seção Espaço Aberto da Rádio Tom Social

   
Desemprego, Mantenha a calma 03/09/2001 às 15:15:00

O medo é geral: perder o emprego traz ansiedade e insegurança para a família. Descubra como enfrentar a situação sem tanto sofrimento.

   
Arte à Primeira Vista: Páginas de uma história 19/09/2014 às 16:34:58

Se você mora em Belo Horizonte ou vai passar por lá nas próximas semanas, não pode deixar de conferir a mostra de arte contemporânea que vai encantar as crianças e os adultos.

   
Ensinando a pensar 13/08/2001 às 14:58:00

O que é mais importante em uma escola: matérias e conteúdo ou que o aluno aprenda a pensar?

   
Solidários desde a infância 05/04/2001 às 16:29:00

Você sai de carro com seu filho. Ao aproximar-se de um sinal, uma criança se aproxima da janela e, rapidamente, você fecha os vidros. Seu filhote fica supreso, parece não entender o que se passa. Como falar de nossos medos? Como explicar o inexplicável?