Segunda-feira, 28 de julho de 2014
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Educação financeira em dose infantil

Por Louis Frankenberg *


Questões financeiras dizem respeito a toda a família, inclusive aos pequenos. Afinal, eles também entram no orçamento doméstico. Mas é importante respeitar a maturidade da criança para não envolvê-la em assuntos que gerem traumas futuros.

Aquele que passa a infância ouvindo as queixas dos pais sobre as suas dificuldades para sustentar a família, normalmente tem a personalidade influenciada por esse universo em crise e encara o dinheiro de maneira peculiar.


As reações variam. Há quem dê demasiado valor ao dinheiro e à riqueza na vida adulta. Outros caminham na direção oposta: transformam-se em grandes perdulários e assumem um estilo de vida exatamente oposto ao dos pais.


Discussões sobre dinheiro e finanças podem calar fundo nas crianças, deixando seqüelas permanentes e negativas nos adultos em que se transformarão. A virtude está no meio do caminho: entre a avareza e a excessiva extravagância no manejo com o dinheiro.

Atitudes que educam

  • Pais que passaram por dificuldades na infância tendem a dar aos filhos tudo o que almejam. Não cometa este erro, pois haverá uma boa probabilidade de criar filhos insatisfeitos, que jamais se contentam com o que têm e que terão dificuldades em se adaptar à sociedade.


  • Não deixe a criança dominar o lar. A última palavra é dos pais. Quando há desacordo, o melhor é discutir o assunto para chegar a um consenso. Mostre ao seu filho que não é uma boa jogar com o desentendimento entre pai e mãe para obter aquilo que deseja.


  • Não altere objetivos e prioridades por desejos e extravagâncias dos pequenos. O casal não deve desviar o caminho de seus próprios sonhos apenas para satisfazê-los.


  • Ensine desde cedo que todos têm papel importante a desempenhar no seio da família. Uma mesada ou semanada, por menor que seja, em retribuição à execução de alguma tarefa lar pode ser um bom incentivo.


  • Não dê à criança tudo o que ela pede e em qualquer ocasião. Há momentos especiais para presentear: aniversário, Natal e dia da criança.


  • Não discuta assuntos financeiros delicados ou conflituosos na frente de seus filhos pequenos. Eles não entenderão o que está em jogo e não ajudarão a solucionar o problema. Essas discussões podem abalar demais uma mente em formação e criar traumas profundos. Há hora para tudo, inclusive para contar à criança que uma mudança ou fato importante irá ocorrer na vida de todos.


  • Dar um carro ao filho que acaba de completar 18 anos merece cuidadosa avaliação. É preciso que ele compreenda a responsabilidade que chega com o carro: gastos com manutenção, documentação e combustível e a maturidade exigida de um motorista.


    * Louis Frankenberg é formado em Ciências Contábeis e Atuariais pela PUC, de Porto Alegre, RS. Dirige sua própria empresa de assessoria e consultoria financeira, além de ministrar palestras abordando temas financeiros e comportamentais. Autor do livro Seu Futuro Financeiro, Você é o maior responsável, editora Campus.


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    Natal dentro do orçamento 13/11/2004 às 14:44:00

    Saiba como planejar seus gastos e reduzir as despesas de fim de ano para não começar o ano novo no vermelho.

       
    De pai para filho 04/06/2001 às 14:03:00

    Há muitos anos a caderneta de poupança era a aplicação financeira mais utilizada pelos pais para acumular um determinado capital que, no futuro, pudesse ajudar seus filhos. Hoje há diversas outras opções para chegar lá. Conheça algumas delas.

       
    Dicas para diminuir as despesas domésticas 06/02/2004 às 21:55:00

    Com medidas simples, é possível reduzir bastante os gastos mensais com energia elétrica, água, telefone e outras despesas. Saiba como!

       
    O que seu filho quer ser quando crescer 02/04/2001 às 14:31:00

    O garotinho diz que será piloto de avião e a menina quer brilhar nas passarelas da moda: são os pequeninos sonhando com a profissão. A escolha da carreira é pessoal, mas a ajuda dos pais é bem vinda. Oriente seu filho sem traçar o caminho por ele.