Sábado, 25 de outubro de 2014
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Segurança na alimentação

Por Flavia Schwartzman *


Tão importante quanto servir uma alimentação nutritiva e balanceada para sua família, é oferecer alimentos saudáveis, livres de contaminação. Aprenda sobre isso!

Muitos dos alimentos que compramos, como carnes, ovos, frutas e verduras contêm microorganismos. Alguns deles não causam problemas e são até desejáveis, como aqueles utilizados no processamento de alguns queijos e iogurtes. Entretanto, outros podem ser prejudiciais à saúde e provocar sintomas como náusea, diarréia, vômito, febre e outros mais perigosos.


Mas se alguns cuidados forem tomados na hora da compra, no preparo, ao servi-los e ao armazená-los, a contaminação pode facilmente ser evitada.

Comprando alimentos:

  • Confira o prazo de validade e nunca compre alimentos com a data vencida. Latas não podem estar amassadas, deformadas ou abertas.


  • Os alimentos que devem ser mantidos refrigerados precisam estar na geladeira e os alimentos congelados no freezer.


  • Deixe para comprar as carnes, frangos, peixes e outros alimentos perecíveis por último. Coloque as carnes cruas, frangos e peixes em sacos plásticos para que os sucos não caiam nos demais alimentos. No carrinho, separe-os das verduras, legumes e frutas.


  • Abra a embalagem dos ovos e certifique-se de que não estejam quebrados ou rachados.


  • Após as compras, vá direto pra casa. Desempacote imediatamente as carnes e demais alimentos perecíveis e coloque-os na geladeira ou no freezer. Não deixe os alimentos dentro do carro quente, enquanto está fazendo outras coisas.

    Armazenando os alimentos:

    As bactérias se multiplicam rapidamente entre 4°C e 60°C. Para garantir a permanência dos alimentos fora desta zona de perigo, mantenha os alimentos quentes a altas temperaturas (igual ou acima de 60°C) e os frios a baixas temperaturas (igual ou abaixo de 4ºC).


  • Certifique-se de que a temperatura da geladeira esteja entre 2 e 4°C e a do freezer a 18°C negativos ou menos. Cheque a temperatura de vez em quando.


  • Congele as carnes que não forem ser utilizadas nos próximos dias. Bifes e peças de carne de vaca, carnes de porco e de carneiro podem ser mantidos na geladeira por até 3 dias. Frangos, carne moída e peixes devem ser utilizados num prazo de 1 a 2 dias a contar do dia da compra. Uma dica para facilitar o descongelamento e preparo dos alimentos é separá-los nas quantidades que serão utilizadas e congelá-los em sacos plásticos separados. Assim, além de evitar que os sucos das carnes entrem em contato com outros alimentos, quando você for cozinhá-las, não haverá necessidade de descongelar uma peça inteira, se for precisar apenas da metade.


  • Não encha a geladeira nem o freezer em excesso. Deixe espaço entre os alimentos, pois o ar precisa circular para que o processo de resfriamento/congelamento se dê de maneira adequada.


  • Descongele os alimentos na geladeira ou no microondas, mas nunca à temperatura ambiente. Uma dica é você tirar do freezer, no dia anterior, os alimentos que serão utilizados no dia seguinte e descongelá-los na geladeira. As bactérias adoram a temperatura ambiente, por isso não deixe alimentos perecíveis ao ar livre por um período superior a 2 horas (1 hora se a temperatura ambiente for maior que 32°C). Quando for descongelá-los, coloque-os em recipientes plásticos ou num prato limpo. Para um descongelamento mais rápido, você também pode submergir o alimento (dentro de um saco plástico) em água fria, trocando a água a cada 30 minutos e cozinhando-o imediatamente após o descongelamento.


  • Carnes e frango que foram descongelados na geladeira podem ser congelados novamente, apesar da possibilidade de uma perda na qualidade em relação à textura. Já os alimentos que foram descongelados por outros métodos devem ser cozidos antes de recongelados.


  • As sobras das refeições devem ir à geladeira até no máximo 2 horas após o cozimento. Não há necessidade de esfriá-las antes, mas se a quantidade for muito grande, separe-as em porções menores para que o resfriamento se dê mais rapidamente. Se não for utiliza-las num período curto, congele-as.


    Muitas vezes não podemos ter certeza se um alimento está estragado, pois o cheiro, aparência e gosto podem parecer normais. Se tiver dúvida, não corra o risco, jogue fora!


    * Flavia Schwartzman é nutricionista, formada pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, com especialização em Nutrição Materno-Infantil, Mestre em Nutrição pela Escola Paulista de Medicina.


  • Comentário:    
           

    Matérias relacionadas

       
    Como amamentar após o retorno ao trabalho 24/03/2006 às 13:42:00

    A licença maternidade está no fim e logo você terá de voltar ao batente, mas não quer deixar de amamentar seu filho. O que fazer?

       
    Cuidados para não engasgar 31/01/2001 às 14:32:00

    Crianças, especialmente entre 2 e 3 anos, apresentam maior risco de engasgar com alimentos (e objetos), até por volta dos 4 anos de idade, quando aprendem a mastigar e a engolir melhor. Aprenda, aqui, como evitar acidentes.

       
    Milho, o rei dos cereais. E da garotada! 15/09/2003 às 20:36:00

    O milho faz um enorme sucesso entre as crianças e, além de saboroso, é muito nutritivo. Aprenda a fazer doces e salgados deliciosos com esse cereal. As receitas são da turma do Sitio do Picapau Amarelo!

       
    Sol na medida certa 29/01/2001 às 14:13:00

    O sol faz bem à saúde, mas nada de exageros. Nem muito nem tão pouco. Conheça os segredos para manter a pele de seu filhote bem cuidada e longe das agressões das queimaduras.

       
    Receitas do mês ABRIL 21/03/2012 às 10:48:11

    Para este mês de abril, convidamos a Chef Paula Weber para preparar elaborar as receitas a serem preparadas com os alimentos da estação! Confira!