Terça, 02 de junho de 2020
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Adoção, quando falar

Por Adriana Mabilia *


Refletir e falar francamente sobre adoção são os primeiros passos para evitar problemas. E, acredite, esse diálogo pode começar no berço!

Decidir sobre contar ou não à criança que ela foi adotada e definir a hora certa para revelar a verdade são os grandes tabus que atormentam pais adotivos. A psicóloga Isabel Cristina Gomes, de São Paulo, diz que o momento correto é "sempre", desde o instante em que ela é acolhida por sua nova família, ainda pequena.


"Oriento os pais a contar a verdade aos poucos, em forma de historinha, mostrando que a mamãe não pôde cuidar dela e que eles a escolheram porque queriam muito um filhinho". A psicóloga explica que a verdade é importante, pois só assim a criança será capaz de confiar plenamente no amor que os pais sentem por ela.


Esconder a realidade faz com que o pequeno se sinta como se estivesse pisando num campo minado prestes a explodir. E quando percebe que há um segredo pairando no ar, fica mais vulnerável a problemas como insegurança, mau desempenho na escola e outros distúrbios de comportamento.


Isabel Cristina acredita que a criança adotada sabe, inconscientemente, a verdade sobre ela. Por isso, é importante que os pais deixem bem claro que o fato de não serem os pais biológicos em nada diminui o seu afeto. "É muito complicado conviver com essa mentira", ressalta a psicóloga.

Quanto mais cedo melhor

Se desde pequena a criança souber que é adotada, saberá encarar o fato com naturalidade. Mas se a verdade for revelada quando estiver mais velha, as reações poderão ser as mais variadas: aceitação e alegria pela sorte de ter uma família até a perda da confiança nos pais adotivos e o medo de ser novamente abandonada.


Muitos pais se furtam a revelar a verdade com a desculpa de que as crianças não querem saber, fogem do assunto ou desconversam quando o tema é abordado. "Essa atitude apenas demonstra que ainda não estão prontas para encarar o assunto. O momento certo varia de filho para filho e da relação afetiva estabelecida com os pais adotivos", garante a psicóloga.

Os fantasmas dos pais biológicos

Muitos pais adotivos vivem apavorados com a possibilidade de que os filhos queiram, um dia, conhecer os pais biológicos e que, por isso, venham a abandoná-los. Em contrapartida, alguns filhos, por se sentirem inseguros em relação ao amor dos pais adotivos, usam o artifício do desejo dessa busca para provocar ciúme e se certificar de que são realmente queridos por aqueles que os acolheram.


Se isso acontecer, o melhor a fazer é ajudar. Às vezes os pais adotivos conseguem encontrar a pista certa e chegar à família da criança, mas isso nem sempre é possível. Em geral, mães que entregam seus filhos à adoção preferem não deixar rastros. Nesse caso, converse abertamente com a criança e colabore ainda mais para que ela se sinta segura e amparada por seu amor.


Alguns mitos que envolvem a adoção podem ser esclarecidos com uma boa preparação do casal. O contato com um psicólogo, visitas a orfanatos e um bate-papo com os coordenadores desse tipo de instituição são extremamente úteis. Ajudam a ampliar a visão dos pais, mostrando que a escolha da criança amada vai além de querer um bebê loirinho e bonitinho. Filho "de coração" não precisa ser parecido com os pais. Se isso estiver claro e bem elaborado, a raça e a cor da criança não terão a menor importância.

Uma decisão familiar

Se o casal já tem filhos biológicos, a decisão de adotar uma nova criança deve ser compartilhada por toda a família, já que a novidade trará mudanças para todos. É preciso que pais e filhos estejam dispostos a aceitar o bebezinho adotado com o coração aberto e com muito carinho a oferecer.


Para Isabel Cristina, quando o casal já tem filhos de sangue, é primordial que eles saibam realmente o por quê do desejo da adoção: "Penso que isso deve ser discutido no âmbito familiar. É necessário que os pais conversem exaustivamente com os outros filhos sobre como a família vai lidar com isso e que esgotem os argumentos que justificam a decisão do casal."


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Momento Clicfilhos - Leitura, desafio de pais e professores 13/02/2020 às 16:18:58

Habituar os filhos a mergulhar nos livros nem sempre é fácil. Aprenda, aqui, como estimulá-los.

   
Momento Clicfilhos - Afinal, para que serve a mesada? 13/02/2020 às 15:58:02

Os filhos pedem, e como pedem! Querem brinquedos, roupas de griffe, jogos de videogame, guloseimas... Como fazer da mesada uma aliada?

   
Momento Clicfilhos - Bullying, violência na escola 13/02/2020 às 15:20:51

Humilhação, intimidação, ameaça. Diariamente, estudantes de todas as idades são vítimas desse tipo de violência moral na escola. Os agressores são seus próprios colegas. Como lidar com essa situação?

   
Momento Clicfilhos - Animais, alegria para toda a família 13/02/2020 às 15:16:32

Animais de estimação oferecem carinho e companhia, ajudando até a curar a depressão. Quem resiste?

   
Momento Clicfilhos - Com açúcar, com afeto... 13/02/2020 às 15:08:46

Você entra no quarto do seu filho e sente como se um furacão tivesse passado por ali: gavetas semi-abertas, roupas para fora, brinquedos espalhados pelo chão, lápis, livros e cadernos sobre a cama ...