Sábado, 06 de junho de 2020
Página inicial do clicfilhos.com.br
    

Mãe em tempo integral

Por Beatriz Luna *


Trabalhar, ter prestígio e ganhar muito dinheiro. Você desistiu de tudo para dar ao seu filho em tempo integral?

Não se desiluda e nem ceda às pressões da sociedade. Ficar em casa cuidando dos filhos não significa deixar de exercer uma atividade que exige esforço e rende alegrias. Pelo contrário, você está ajudando a formar o caráter de um novo indivíduo. Pense no lado positivo. Quem acompanha ativamente o desenvolvimento da criança? Você, que se permite estar por perto quando o bebê pronuncia as primeiras palavras, que esclarece as dúvidas da lição de casa, que testemunha o despertar da primeira paixão!

Ser mãe em período integral não é nada fácil, mas é a melhor maneira de presenciar, passo-a-passo, todas as vitórias do filhote. Pare para pensar em tudo o que compõe a sua rotina: levar as crianças à escola, fazer supermercado, preparar as refeições, arrumar a casa, providenciar soluções para acidentes domésticos, panes na eletricidade, vazamento nos canos... Ufa! Você não chama isso de trabalho?

Sorria e siga em frente

À noite, depois de por as crianças na cama, mesmo cansada, ainda encontra disposição para ouvir o relato do dia do maridão enquanto toma um drinque com ele, antes de ir para a cama. E aí, naquele famigerado almoço de família, você encontra uma prima distante que diz: "preciso tirar férias não agüento mais trabalhar. Você é que tem sorte, fica em casa o dia inteiro e não faz nada".

Com um sorriso acanhado, e cheia de culpa, você pensa: ela nem imagina como meu cotidiano é tumultuado. Quantas vezes você já sentiu essa sensação de desprezo? Infelizmente, a sociedade está repleta de preconceitos. Mas não desanime. Erga a cabeça e orgulhe-se de ser mãe em tempo integral. Várias mulheres estão na mesma situação e driblam a cobrança dos grupos sociais com bom humor e muito respeito.

Abaixo o desrespeito

Ann Crittenden, ex-jornalista americana, é um exemplo de como quebrar tabus. Acostumada a almoços de trabalho em locais badalados, entrevistas interessantes e à louca corrida contra o relógio própria da profissão, decidiu renunciar a tudo para trocar fraldas e passar noites em claro embalando o bebê.

Disposta a levantar a bandeira da supermaternidade, relata toda a sua mudança no livro lançado nos Estados Unidos em 2002, "The Price of Motherhood: Why the Most Important Job in the World is Still the Least Valued" (O Preço da Maternidade: Porque a Profissão Mais Importante do Mundo Ainda é a Menos Valorizada), ed. Metropolitan Books, ainda sem tradução no Brasil.

A grande mensagem da publicação é reafirmar que a profissão de "mãe" é essencial à sociedade. Toda mulher tem o direito de decidir entre o "emprego" fora ou dentro de casa. Por favor, nada de cobranças e desrespeito. Esqueça os preconceitos da sociedade e orgulhe-se!


* Beatriz Luna é jornalista e mãe de três filhos pequenos.


Comentário:    
       

Matérias relacionadas

   
Momento Clicfilhos - Leitura, desafio de pais e professores 13/02/2020 às 16:18:58

Habituar os filhos a mergulhar nos livros nem sempre é fácil. Aprenda, aqui, como estimulá-los.

   
Momento Clicfilhos - Afinal, para que serve a mesada? 13/02/2020 às 15:58:02

Os filhos pedem, e como pedem! Querem brinquedos, roupas de griffe, jogos de videogame, guloseimas... Como fazer da mesada uma aliada?

   
Momento Clicfilhos - Bullying, violência na escola 13/02/2020 às 15:20:51

Humilhação, intimidação, ameaça. Diariamente, estudantes de todas as idades são vítimas desse tipo de violência moral na escola. Os agressores são seus próprios colegas. Como lidar com essa situação?

   
Momento Clicfilhos - Animais, alegria para toda a família 13/02/2020 às 15:16:32

Animais de estimação oferecem carinho e companhia, ajudando até a curar a depressão. Quem resiste?

   
Momento Clicfilhos - Com açúcar, com afeto... 13/02/2020 às 15:08:46

Você entra no quarto do seu filho e sente como se um furacão tivesse passado por ali: gavetas semi-abertas, roupas para fora, brinquedos espalhados pelo chão, lápis, livros e cadernos sobre a cama ...